ANMIGA realiza III Marcha das Mulheres Indígenas em Brasília - PORTAL DE NOTÍCIAS RITMO CULTURAL

Page Nav

HIDE

Últimas notícias:

latest

ANMIGA realiza III Marcha das Mulheres Indígenas em Brasília

Foto: Katie Maehler/ Cobertura Colaborativa Foto: Leo Otero / Cobertura Colaborativa   A  Articulação Nacional das Mulheres Indígenas Guerre...

Foto: Katie Maehler/ Cobertura Colaborativa

Foto: Leo Otero / Cobertura Colaborativa












 



Articulação Nacional das Mulheres Indígenas Guerreiras da Ancestralidade (ANMIGA) realiza a III Marcha das Mulheres Indígenas, entre os dias 11 e 13 de setembro, no Complexo Cultural FUNARTE. A mobilização reunirá mais de 6 mil lideranças femininas indígenas dos seis biomas brasileiros, além de convidadas internacionais.
 

A marcha tem como o objetivo conectar e reconectar a potencialidade das vozes das ancestralidades, que são as sementes da terra que compõem a rede ANMIGA, fortalecer a atuação das mulheres indígenas e debater os desafios e propor novos diálogos na política indígena do Brasil. "Esse será um momento de fortalecimento das mulheres indígenas que estão com o corpo território em movimento, se propondo a novos diálogos e projetos para o Brasil, a partir das suas lutas e vozes. Nunca mais um Brasil sem nós!", declara Braulina Baniwa, coordenadora executiva da ANMIGA.

 

A III Marcha das Mulheres Indígenas terá a presença de mulheres indígenas de todo o país, artistas indígenas, ministras, deputadas federais, vereadoras, deputadas estaduais, autoridades internacionais, além de grupos de trabalho temáticos por biomas. Também haverá noite cultural, artesanatos e desfiles.


A primeira marcha reuniu mais de duas mil mulheres de todos os biomas, em 2019. A segunda, ocorrida em meio às tensões do 07 de setembro bolsonarista, contou com mais de 5 mil mulheres, com o tema “Mulheres Originárias: Reflorestando mentes para a cura da Terra”. Desta vez, a ação prevê o encontro de 8 mil mulheres.

 

Manifesto da III Marcha das Mulheres Indígenas


O “nunca mais um Brasil sem nós” é a resposta da inquietação sobre a nossa invisibilidade secular que impacta e impactou diretamente nossos corpos territórios. No que se refere às políticas públicas do Estado, fruto do racismo, da desigualdade e de uma democracia de baixa representatividade, são séculos de violências e violações. Não é mais tolerável aceitar políticas públicas inadequadas aos povos indígenas. Por isso, nós, enquanto mulheres de sonhos coletivos, propomos e construímos a nossa bancada do cocar de forma coletiva, passada por muitas mãos e vozes, na rede de mulheres indígenas da ANMIGA. Estamos felizes por nossa presença no Ministério dos Povos Indígenas (MPI), que chega comprometido com tudo isso e com a promoção de uma política indígena em todo o território nacional, com potencial de fazer frente às mazelas que tomaram nossos corpos, memórias e vida.

 

Sabemos que não será fácil superar 523 anos em 4. Mas estamos dispostas a fazer desse momento a grande retomada da força ancestral da alma e espírito brasileiros. Isso só será possível, se tivermos ao nosso lado, mães, anciãs, caciques e lideranças homens colaborando com o avanço no diálogo coletivo em prol do bem maior. Nossos maiores inimigos são as leis que não reconhecem nossa diversidade e nossa existência. Falar em demarcação de terras indígenas é gritar pela continuidade da existência dos nossos povos. Ter uma mulher indígena como primeira ministra indígena é afirmar que as mulheres são a cura da terra e também a resposta para enfrentamentos à violência de gênero e racismos como o estrutural, institucional e ambiental.


Portanto, no ano de 2023, marca a continuação da luta contra garimpo ilegal e pela formação politica de representação no espaços espaços de poder. Sim, vencemos a primeira batalha, que é experiência nos estados. Mas os trabalhos em prol da vida das mulheres são urgentes e emergentes. O mês de abril é o mês da luta e resistência, mas também queremos dizer que a nossa proposta é conectar e reconectar a potencialidade das vozes das ancestralidades que são as sementes da terra que compõem a rede ANMIGA. Será um momento de fortalecimento das mulheres indígenas que estão com o corpo território em movimento, se propondo a novos diálogos e projetos para o Brasil, a partir das suas lutas e vozes. Este ano nosso tema é Mulheres Biomas em Defesa da Biodiversidade pelas Raízes Ancestrais

 

A ANMIGA convida a todos a apoiar a luta das mulheres indígenas dos seis biomas do Brasil na construção de uma governança que respeite sua existência. Junte-se a nós nessa importante causa. Para mais informações, favor entrar em contato com a ANMIGA pelo telefone ou e-mail fornecidos. ANMIGA - Articulação Nacional das Mulheres Indígenas Guerreiras da Ancestralidade

 

Serviço:

III Marcha das Mulheres Indígenas - "Mulheres Biomas em Defesa da Biodiversidade pelas Raízes Ancestrais"

De 11 a 13 de setembro

Endereço: Complexo Cultural Funarte - Brasília/DF

Link


PR Floresta Ativista
Fernanda Couto
11 97271 4391
 

Por assessoria de imprensa ANMIGA - Keila Guajajara (99) 998276 9253
Fonte Portal de Notícias Ritmo Cultural

Nenhum comentário