Núcleo Bandeirante comemora 67 anos nesta terça-feira (19) - PORTAL DE NOTÍCIAS RITMO CULTURAL

Page Nav

HIDE

Últimas notícias:

latest

Núcleo Bandeirante comemora 67 anos nesta terça-feira (19)

O Núcleo Bandeirante completa 67 anos de história nesta terça-feira (19), com cerca de 50 mil pessoas. As festas de comemoração do aniversár...

O Núcleo Bandeirante completa 67 anos de história nesta terça-feira (19), com cerca de 50 mil pessoas. As festas de comemoração do aniversário da cidade começaram no início do mês, com programação para crianças no setor Placa das Mercedes, uma rua de lazer na nova ciclovia e também na Metropolitana, além de festejos na praça Padre Roque e na Vila Cauê.

O corte do bolo e uma queima de fogos foram realizados na última semana, acompanhados por uma solenidade de agradecimento aos pioneiros que ajudaram na construção do Núcleo Bandeirante.

Atualmente, são 17 obras em andamento na região. Em 2023, foram investidos R$ 2 milhões nas calçadas, R$ 800 mil na ciclovia e R$ 300 mil na renovação do campo sintético, além de R$ 400 mil para melhorar a iluminação pública | Fotos: Joel Rodrigues/Agência Brasília

Mas além das comemorações, a cidade recebeu diversas reformas e entregas este ano. Entre elas, a reforma da Feira Permanente do Núcleo Bandeirante Ibaneis Rocha Barros – Pai. O espaço foi reinaugurado neste sábado (16), com aporte de R$ 11,7 milhões. A obra contemplou instalação de telhas metálicas, recuperação e padronização dos boxes e banheiros, entre outros serviços.

Também foram entregues 3,3 km da ciclovia Abdel Karajah, a pavimentação na Vila Cauhy e uma obra na Escola Parque da Natureza e Esporte. Na área de acessibilidade, foi feita a construção de uma escada ao lado da Estrada Parque Núcleo Bandeirante (EPNB), próximo à Placa da Mercedes.

Ainda nas reformas, foi entregue o Centro de Convivência de Idosos, uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA), a Biblioteca Pública, o Salão Comunitário, o Auditório Garcia Neto, a Igreja da Metropolitana e o estacionamento do Mercado do Núcleo Bandeirante, além da recuperação asfáltica na via em frente à Feira Permanente do Núcleo Bandeirante Ibaneis Rocha Barros – Pai.

As festas de comemoração do aniversário da cidade começaram no início do mês, com programação para crianças no setor Placa das Mercedes, uma rua de lazer na nova ciclovia e também na Metropolitana, além de festejos na praça Padre Roque e na Vila Cauê

O Serviço de Limpeza Urbana (SLU) promoveu a implantação de papa-lixos pela cidade. Equipes também fizeram reformas de iluminação pública na Vila Divineia, no campo de futebol da Vila Cauhy e na área verde da EPNB.

De acordo com o administrador regional Cláudio Márcio de Oliveira, hoje o Bandeirante está 100% em iluminação de LED, com mais de mil lâmpadas instaladas. A administração também está finalizando um gabião, reservatório feito para evitar enchentes.

“Entregamos a ciclovia que une o Núcleo Bandeirante à Candangolândia, pavimentações nas ruas internas da cidade, refizemos calçadas, recuperamos quadras poliesportivas e parques infantis com apoio do RenovaDF. Esse ano foram muitas obras, acho que o Núcleo Bandeirante nunca tinha passado por tantas quanto em 2023”, destaca.

Investimento

Atualmente, são 17 obras em andamento na região. Em 2023, foram investidos R$ 2 milhões nas calçadas, R$ 800 mil na ciclovia e R$ 300 mil na renovação do campo sintético, além de R$ 400 mil para melhorar a iluminação pública.

Também foram entregues 3,3 km da ciclovia Abdel Karajah

A feirante Kelen Cristina é moradora do Núcleo Bandeirante há cinco anos. Ela conheceu a cidade pelo avô, que trabalha há anos como feirante na região. Kelen se diz animada com a entrega da feira permanente e com as obras sendo feitas na região. “A gente tem um amor muito grande por essa cidade, a vizinhança é muito boa. Eu acho que essas inaugurações, principalmente no Bandeirante, dão visibilidade para que moradores de outras cidades possam vir conhecer a região”, ressalta.

Neste período do ano, além de aniversariante, a cidade também é o palco de atrações natalinas na Praça Central, como cantatas de Natal, teatros e apresentações de bandas.

“O Núcleo Bandeirante tem história. Foi aqui que nasceu Brasília, as pessoas vinham fazer compras, pois não tinha mercado em outro local. Tudo dependia daqui, desde fazer feira até cortar o cabelo. O próprio JK fazia isso. É uma cidade que vem evoluindo a cada ano”, frisa o administrador.

Cidade livre

Antes de Brasília ser inaugurada, o espaço ocupado pela Candangolândia, Núcleo Bandeirante e o Museu Vivo da História Candanga eram um único conjunto. Cada local desempenhava uma função específica: administrativa, comercial e hospitalar, respectivamente – isso porque o museu era o antigo Hospital Juscelino Kubitschek de Oliveira.

Em seu início, o Núcleo Bandeirante se destacava como centro comercial e, naquela época, o governo optou por isentar a região do pagamento de impostos, visando atrair empresários. Daí originou-se o primeiro nome do local, Cidade Livre.

Este centro acolheu grande parte dos trabalhadores envolvidos na construção de Brasília, sendo também conhecido como Núcleo Pioneiro. Em 1956, a Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap) construiu as principais avenidas da cidade.

Kelen Cristina, feirante: “Eu acho que essas inaugurações, principalmente no Bandeirante, dão visibilidade para que moradores de outras cidades possam vir conhecer a região”

Devido à sua função comercial, não eram concedidos alvarás para residências na área. Os lotes eram disponibilizados por meio de comodato, sem escritura definitiva, e deveriam ser devolvidos à Novacap até o fim de 1959. Com a inauguração da capital, os comerciantes foram realocados, mas os moradores pleitearam a permanência. Em 1961, toda a região recebeu a denominação de Núcleo Bandeirante.

O Museu Vivo da Memória Candanga é composto por edificações históricas, peças, objetos e fotografias da época da construção da nova capital. O museu narra a trajetória de Brasília desde o período da construção até a inauguração, em 1960.

Um dos pioneiros da cidade é o comerciante João Cândido da Silva. Ele viu a cidade ser erguida desde que chegou a Brasília, em 14 de abril de 1960, vindo do Rio Grande do Norte com apenas 20 anos. “A primeira cidade foi aqui, era lugar em que os trabalhadores que construíram a capital faziam compras. Eu vendia roupa nessa época. Nós apelidamos a região de Cidade Mãe. Isso aqui é minha vida, me sinto na minha casa, no meu lugar”, acentua.

Fonte Agência Brasília

Nenhum comentário