MDOU MOCTAR RETORNA COM NOVO ÁLBUM FUNERAL FOR JUSTICE DISPONÍVEL 3 DE MAIO - PORTAL DE NOTÍCIAS RITMO CULTURAL

Page Nav

HIDE

Últimas notícias:

latest

MDOU MOCTAR RETORNA COM NOVO ÁLBUM FUNERAL FOR JUSTICE DISPONÍVEL 3 DE MAIO

ASSISTA AO VIDEOCLIPE DO NOVO SINGLE  “ FUNERAL FOR JUSTICE ”   EM TURNÊ PELOS EUA, REINO UNIDO E UNIÃO EUROPÉIA NESTE VERÃO   Crédito: Ebru...

ASSISTA AO VIDEOCLIPE DO NOVO SINGLE 

FUNERAL FOR JUSTICE

 

EM TURNÊ PELOS EUA, REINO UNIDO E UNIÃO EUROPÉIA NESTE VERÃO

 

Crédito: Ebru Yildiz (alta qualidade)

 

Com lançamento previsto para 3 de maio, Funeral For Justice é o novo álbum de Mdou Moctar. Gravado no final de dois anos de turnê pelo mundo após o lançamento do sucesso de 2019, Afrique Victime, ele captura o quarteto nigeriano em sua forma feroz. A música está mais alta, mais rápida e mais selvagem. Os solos de guitarra estão imersos em distorção, e as letras são apaixonadamente políticas. Nada é contido ou suavizado. Assista ao vídeo da faixa-título do álbum AQUI. O quarteto se apresentará no Coachella Valley Music and Arts Festival em abril e embarcará em uma turnê em junho, com datas nos EUA, Reino Unido e União Europeia. Veja o itinerário completo abaixo.

 

Damon Locks (Black Monument Ensemble) sobre Funeral For Justice

Há uma beleza em ouvir música feita com o espírito de renovação energética. Quando os sons transformam o ar e o ouvinte. Esse disco transporta o ouvinte para o âmago da música de Mdou Moctar. A combinação de intenção e motivação cria uma explosão de som que abraça, sacode e convida a dançar! Convida a respirar. Ele nos convida a sermos solidários com a música. Convida-nos a entrar em contato com a condição humana. O que significa ser livre nestes tempos? O mundo pode se libertar do estado mental colonial que causou tanto dano e desconfiança? Podemos lamentar nossas perdas, mas reconstruir para formar algo mais surpreendente, mais fantástico? ‘Funeral For Justice’ diz que sim.

 

Um som que carrega peso causa impacto. Um som que carrega o tempo transcende o tempo. Não estamos apenas ouvindo música, mas estamos vivendo através dela. Estamos vivendo com ela. Estamos vivendo nela. O artista vê a história e faz poesia com ela para o presente. ‘Funeral For Justice’ de Mdou Moctar solicita sua presença. Apareça aberto à celebração da vida, amada como deve ser amada. Experimente a exaltação e a exuberância. As palavras falam de ascensão, consciência, tristeza, apatia, conhecimento e crescimento. As guitarras falam de poder, energia, júbilo, transcendência, imediatismo e tradição. A bateria e a percussão marcam o pulso do agora, bem como uma dança atemporal que envolve a todos nós, assim como aconteceu com aqueles que vieram antes de nós. Os fios que carregam a mensagem parecem vivos com fogo e propósito, explosivos com possibilidades. Esse "funeral" é um reconhecimento. Esse "funeral" é abundante. Esse "funeral" transborda para a rua cheia de dança. Esse "funeral" se estende até tarde da noite, chutando a sujeira, com o zumbido de um gerador, um membro sempre presente da seção rítmica. Esse "funeral" é um chamado claro à razão e à crença de que a mudança é possível.

 

Portanto, junte-se a Mdou Moctar neste funeral pela justiça, sabendo que o renascimento é possível. Uma nova justiça é possível. Com sua voz, seu coração, sua dança, sua batida, nasce uma nova justiça. Mdou Moctar lhe dá as boas-vindas com alegria e de braços abertos. Esteja aqui. Sinta-se aqui e aja, junto com esta música. Não fique sozinho, junte-se a outros e aja. Lute pela libertação. Levante-se contra a opressão, ao lado desta música, e aja!

As músicas de Funeral For Justice falam sem hesitação sobre a situação do Níger e do povo tuaregue. "Esse álbum é realmente diferente para mim", explica Moctar, o vocalista da banda, homônimo e indiscutivelmente icônico guitarrista. "Agora os problemas de violência terrorista são mais sérios na África. Quando os EUA e a Europa vieram para cá, disseram que iriam nos ajudar, mas o que vemos é realmente diferente. Eles nunca nos ajudam a encontrar uma solução."

 

"Mdou Moctar tem sido uma banda fortemente anti-colonial desde que eu faço parte dela", diz o produtor e baixista Mikey Coltun, que toca com o Moctar desde 2017. "A França entrou, ferrou o país e depois disse 'vocês são livres'. E não são." A música "Oh France" aborda isso de frente: "A França encobre suas ações com crueldade/ Somos melhores sem essa relação turbulenta/ Precisamos entender seus intermináveis jogos letais."

 

No single principal e na faixa-título, Moctar se dirige diretamente aos líderes africanos, pedindo-lhes: "Retomem o controle de seus países, ricos em recursos/ Construam-nos e parem de dormir". A música "Sousoume Tamacheq" trata da situação difícil do povo tuaregue, ao qual a banda pertence, e que está espalhado principalmente por três países: Níger, Mali e Argélia. "Oprimidos em todos os três/ Além da falta de unidade, a ignorância é o terceiro problema". Outra música, "Imouhar", conclama os tuaregues a preservar a língua tamasheq, que corre o risco de desaparecer, e Mdou é um dos poucos em sua comunidade que sabe escrevê-la. "As pessoas aqui estão usando apenas o francês", lamenta Mdou. "Elas estão começando a esquecer seu próprio idioma. Achamos que em cem anos ninguém falará bem o Tamasheq, e isso é muito assustador para nós."

 

Mdou Moctar em sua versão atual é, antes de tudo, uma banda. Além de Moctar, ela é composta pelo guitarrista rítmico Ahmoudou Madassane, pelo baterista Souleymane Ibrahim e pelo baixista e produtor americano Mikey Coltun.

 

A banda começou a se apresentar em casamentos tradicionais. Esses são eventos de muita energia - os amplificadores são aumentados para 11 e a cidade inteira é convidada a participar. "Eu cresci na cena punk de DC e isso não é diferente", explica Coltun. "É um show punk do tipo faça-você-mesmo: as pessoas trazem geradores, ligam seus amplificadores. As coisas estão quebradas, mas eles fazem funcionar."

 

Transmitir essa energia e esse sentimento de comunidade a um novo público tem sido um objetivo importante para a banda. Seus primeiros shows nos Estados Unidos foram, às vezes, erroneamente organizados para serem eventos sentados. Esse não é mais o caso. Ao longo de centenas de shows, eles provaram ser uma das bandas de rock mais importantes do mundo - um grupo enraizado na tradição tuaregue, mas inegavelmente seu próprio organismo singular. Um show do Mdou Moctar agora é conhecido por ser um lugar para dançar, se não para fazer mosh com força total.

 

"‘Ilana’ foi o álbum de entrada, afirmando que esta é uma banda de rock cru. E ‘Afrique Victime’ foi o resumo dessa visão” diz Coltun, que gravou o disco inteiro em cinco dias em uma casa quase sem mobília no interior do estado de Nova York. “Com ‘Funeral For Justice’, eu realmente queria que ele brilhasse com a mensagem política por causa de tudo o que está acontecendo. À medida que a banda ficava mais firme e mais pesada ao vivo, fazia sentido capturar essa urgência e essa agressividade - não era algo forçado, era muito natural.”

Em julho de 2023, após a conclusão de Funeral For Justice, o governo democraticamente eleito do Níger foi deposto em um golpe militar. O presidente foi colocado em prisão domiciliar e a nação mergulhou em um estado de caos e insegurança. Os franceses se retiraram. A região continua sendo ameaçada pelo terrorismo. A banda, que estava em turnê nos EUA, não pôde voltar para suas famílias por um tempo.

 

"Não apoio o golpe", explica Mdou, "mas nunca em minha vida gostei da França em meu país. Não odeio a França ou os franceses, tampouco odeio os americanos, mas não apoio suas políticas manipuladoras, o que eles fazem na África. Em 2023, queremos ser livres, precisamos sorrir, entende?"

 

LISTA DE FAIXAS

1. Funeral For Justice

2. Imouhar

3. Takoba

4. Sousoume

5. Imagerhan

6. Tchinta

7. Djallo #1

8. Oh France

9. Modern Slaves

 

TURNÊ 

14 de abril - Indio, CA no Coachella Music and Arts Festival

21 de abril - Indio, CA no Coachella Music and Arts Festival

5 de junho - Atlantic City, NJ no Anchor Rock Club

6 de junho - Harrisburg, PA no The Abbey Bar at ABC

7 de junho - Richmond, VA no Cheers Brown’s Island

8 de junho - Saxapahaw, NC no Haw River Ballroom

9 de junho - Asheville, NC no The Orange Peel

11 de junho - Charleston, SC na Pour House

12 de junho - Birmingham, AL no Saturn

13 de junho - Atlanta, GA no Terminal West

14 de junho - Manchester, TN no Bonnaroo

15 de junho - Indianapolis, IN no The Hi-Fi

18 de junho - Chicago, IL no Thalia Hall

19 de junho - Detroit, MI no Magic Bag

20 de junho - Cleveland, OH no Beachland Ballroom

21 de junho - Buffalo, NY no Asbury Hall

22 de junho - Greenfield, MA no Green River Music Festival

23 de junho - Boston, MA no Paradise Rock Club

26 de junho - Brooklyn, NY no Warsaw

27 de junho - Washington, DC no 9:30 Club

28 de junho - Philadelphia, PA no Union Transfer

3 de julho - London, UK no Electric Brixton

7 de julho - Beuningen, NL no Down the Rabbit Hole

19 de agosto - Berlin, DE no Festaal Kreuzberg

20 de agosto - Leipzig, DE no UT Kreuzberg

21 de agosto - Munich, DE no Ampere

22 de agosto - Milan, IT no Magnolia Summer Stage

25 de agosto - Paris, FR no Petit Bain

26 de agosto - Antwerp, BE no OLT Revierenhof

27 de agosto - Amsterdam, NL no Paradiso

30 de agosto - Dorset, UK no End of the Road Festival

31 de agosto - Manchester, UK no Manchester Psych Fest

1 de setembro - Birmingham, UK no Moseley Folk Festival

2 de setembro - Glasgow, UK no Saint Luke’s

3 de setembro - Newcastle, UK no Boiler Shop

4 de setembro  - Leeds, UK no The Brudenell Social Club

Marketing e Promoção no Brasil:

ForMusic – info@formusic.com.br

 

Informações à imprensa:

Catto Comunicação

Simone Catto – simone.catto@gmail.com

Fonte Portal de Notícias Ritmo Cultural

Nenhum comentário